LO!:
«Locust Christ» em estreia [exclusivo]

As lendas do pós-metal/sludge australiano vão lançar o seu terceiro álbum, «Vestigial», a 6 de Outubro, via Pelagic Records. O primeiro avanço para o disco chama-se «Locust Christ» e é um verdadeiro monstro.

Com o vídeo-clip que fizeram para «Orca», tema retirado do EP «The Tongueless», de há dois anos, os LO! — quarteto formado por Carl Whitbread, Sam Dillon, Adrian Griffin e Adrian Shapiro — surpreendeu muita gente com uma abordagem verdadeiramente excepcional e inovadora às artes visuais na música pesada. Hoje prometem fazer o mesmo, com a estreia de «Locust Christ». Gravado num só dia em Sydney, o vídeo foi realizado e produzido por Adrian Shapiro — o baixista do grupo — com a ajuda de uma equipa minúscula, que inclui um elemento dos Odd Studios, que ganharam recentemente um Óscar para o seu trabalho em «Mad Max: Fury Road».

Eu só estabeleci algumas regras para a filmagem“, explica Shapiro. “O principal era que queria filmar tudo da parte de trás do carro para aumentar a claustrofobia e estar totalmente focado no casal. Fizemos apenas mudanças mínimas na posição da câmara, por isso o que vão ver é o que fizemos com um pouco de edição. Também escolhi filmar durante o dia, porque achei que daria um feeling ainda mais estranho a tudo“. «Locust Christ» faz parte de «Vestigial», o terceiro longa-duração dos LO!, que será editado pela Pelagic Records no próximo dia 6 de Outubro. Em baixo, podes ver a capa e o alinhamento do disco.

01. «Hall Of Extinct Mammals»
02. «As Fools Ripen»
03. «Glutton»
04. «Locust Christ»
05. «Butcher Birds»
06. «Bombardier»
07. «A Tiger Moth’s Shadow»
08. «Judas Steer»
09. «Bestial Beginnings»
10. «The Worms Lament»
11. «Gods Of Ruin»

Mais informação e pré-encomenda aqui.

CANNIBAL CORPSE:
Sangue e tripas

“Code Of The Slashers”, o novo vídeo dos deuses do death metal CANNIBAL CORPSE, pode ser visto em baixo.

O novo vídeo-clip dos CANNIBAL CORPSE, uma das bandas mais famosas e controversas de sempre no espectro da música extrema, foi realizado por Zev Deans, conhecido pelas suas associações aos Behemoth em «Messe Noire», dos Ghost em «Square Hammer» e aos Portal em «Curtain». A canção funciona como primeiro avanço para o novo álbum de estúdio do colectivo oriundo da Flórida, «Red Before Black», que será lançado no dia 3 de Novembro. O sucessor de «A Skeletal Domain», de 2014, foi gravado nos reputados Mana Recording Studios, em São Petersburgo, nos Estados Unidos, com o produtor Erik Rutan, que anteriormente já tinha trabalhado com os músicos em «Kill» de 2006, «Evisceration Plague» de 2009 e «Torture» de 2012.

Para os mais curiosos, aqui fica a capa e o alinhamento completo de «Red Before Black»:

01. «Only One Will Die»
02. «Red Before Black»
03. «Code Of The Slashers»
04. «Shedding My Human Skin»
05. «Remaimed»
06. «Firestorm Vengeance»
07. «Heads Shoveled Off»
08. «Corpus Delicti»
09. «Scavenger Consuming Death»
10. «In The Midst Of Ruin»
11. «Destroyed Without A Trace»
12. «Hideous Ichor»

Mais informação e pré-encomenda disponíveis aqui.

THE OCEAN:
Tema inédito em streaming [exclusivo]

Os THE OCEAN acabam de disponibilizar para streaming um tema inédito intitulado «Turritopsis Dohrnii».

Registado durante as sessões de gravação para «Pelagial», o álbum de 2013, «Turritopsis Dohrnii» será lançado como parte da compilação da Pelagic Records «In The Twilight, These Rocks Have Teeth». Esse disco — que inclui também contribuições dos MONO, pg.lost, sleepmakeswaves, Klone, Wang Wen (惘闻), Ef, Labirinto, Khoma, Hypno5e, Tiny Fingers, Earth Ship, Abraham, Lo!, Tangled Thoughts of Leaving, The Old Wind, LLNN, HYENAS, Implore, Kruger, Dioramic e Coilguns, entre outros — será lançado a 29 de Setembro. Mais informação sobre este lançamento aqui.

Acerca do tema, aqui fica uma declaração de Robin Staps:

“Turritopsis dohrnii é uma medusa que vive no Mediterrâneo; é a única espécie imortal na Terra. As medusas são criaturas estranhas. Começam as suas vidas como pólipos, que são basicamente algo mais próximo de uma planta que de um animal, algo que cresce numa rocha. Estes pólipos reproduzem-se de forma assexuada, por divisão celular. O resultado é uma medusa de natação livre, uma água-viva. As alforrecas reproduzem-se sexualmente antes de morrer … Excepto esta. Quando a forma adulta da espécie se reproduz, voltam para o estado de pólipo juvenil. Encolhem, os tentáculos desaparecem e caem no fundo do oceano para começarem o seu ciclo de vida único novamente — não apenas uma vez, mas infinitamente.

Esta canção começa e termina com a mesma parte, reflectindo esse ciclo eterno. Aprender sobre essa minúscula criatura fez-me pensar sobre como nos esforçamos desesperadamente para rejuvenescer fisicamente e atingir a imortalidade intelectual — o outro lado da moeda é que mal vemos pessoas idosas nos dias de hoje. Numa cidade como Berlim, todos são jovens, saudáveis ​​e bonitos. As pessoas idosas ficam presas em casas e a maioria de nós nunca mais os verá ou visitará, a menos que tenhamos membros da família infelizes o suficiente para envelhecerem“.

AS LIONS:
Concerto no Coliseu dos Recreios

Com a muito aplaudida estreia «Selfish Age» na bagagem, os AS LIONS — liderados por Austin Dickinson, filho do ilustre Bruce Dickinson, vocalista dos Iron Maiden — , vão fazer as honras da abertura do concerto dos norte-americanos ALTER BRIDGE, no próximo dia 29 de Outubro, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

AS LIONS, a banda liderada por Austin Dickinson, filho do ilustre Bruce Dickinson, vocalista dos Iron Maiden, vai fazer as honras da abertura do concerto dos norte-americanos ALTER BRIDGE, marcado para o próximo dia 29 de Outubro, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Tendo liderado os Rise To Remain até há dois anos, a dada altura Austin decidiu voltar à estaca zero e deixar de vez para trás o metalcore que dominou o percurso do grupo londrino durante quase uma década. Para tal, criou os AS LIONS que, após um muito bem recebido EP e uma rota do outro lado do Atlântico ao lado dos Five Finger Death Punch, Shinedown e SIXX:A.M. como parte integrante de uma das package tours mais badaladas do final de 2016, lançaram – no início deste ano – o álbum de estreia, «Selfish Age».

Recuperando três quintos da última formação dos Rise To Remain – Dickinson na voz, Will Homer e Conor O’ Keefe nas guitarras – a banda fica hoje completa com a sessão rítmica composta pelo baixista Stefan Whiting e pelo baterista Dave Fee e, apesar de adoptar uma sonoridade assumidamente contemporânea, acaba por revelar uma paleta de influências muito mais vasta do que discos como «Bridges Will Burn» ou «City Of Vultures» poderiam fazer crer à partida. Com menos enfoque nos leads e nos breakdowns, temas como «The Great Escape» «Aftermath» ou «World On Fire» apresentam uma versão musculada do rock moderno, apoiado em canções alicerçadas em riffs balançados, melodias pegajosas, ocasionais toques electrónicos, arranjos cinemáticos e refrões orelhudos.

SOEN:
Data-dupla em Outubro

Os SOEN, super-grupo sueco liderado pelo brilhante baterista Martin Lopez — que se tornou famoso a tocar com os Amon Amarth e Opeth), entre outros — vai regressar a Portugal para dois concertos exclusivos de promoção ao seu excelente novo trabalho de estúdio, «Lykaia». A banda actua no nosso país a 20 e 21 de Outubro, no Hard Club e RCA Club, no Porto e em Lisboa, respectivamente.

Como convidados especiais nas duas datas vão estar os MADDER MORTEM, colectivo Norueguês de metal progressivo, no activo desde 1997, e que conta já com seis álbuns no currículo. No espectáculo do Porto, a acontecer na Sala 1 do Hard Club, juntam-se também ao cartaz os nacionais HEAVENWOOD, numa noite que se prevê memorável.

Bilhetes físicos e personalizados já estão disponíveis em várias lojas. Para o espectáculo do Porto podem ser adquiridos na Bunker Store, Louie Louie Porto, Piranha – Loja de Música e na bilheteira do Hard Club. Para Lisboa, podem encontrá-los nas lojas Carbono Amadora e Glamorama Rockshop e na bilheteira do RCA Club.

REVERENCE SANTARÉM:
10 razões para não faltares! [2/2]

Depois de três edições em Valada, este ano o festival REVERENCE mudou-se de armas e bagagens para a cidade de Santarém. Com um cartaz bastante mais forte em termos de pesos pesados, mas que não refuta nem por um momento a diversidade que desde o início pautou o evento, a 8 e 9 de Setembro, o aprazível Parque da Ribeira de Santarém vai receber alguma da música alternativa mais excitante – do post-punk ao psych, do stoner ao prog – que se faz hoje.

A equipa da LOUD! reuniu-se e delineou dez razões para ninguém faltar a um evento que, tudo indica, fará mais uma vez o gáudio dos melómanos mais exigentes — e, claro, sem palas nos olhos.


O ANIVERSÁRIO PSICADÉLICO

Referenciado como um dos principais selos de rock psicadélico underground da Europa, a reputada editora independente londrina Fuzz Club vai comemorar o seu 5º aniversário numa parceria com o Reverence. A simbiose vai trazer às margens do Rio Tejo algum do melhor neo-psicadelismo que se faz hoje em dia no planeta e, do lote de bandas que subirão aos dois palcos instalados no Parque da Ribeira de Santarém, constam os The Underground Youth, Throw Down Bones, Nonn, The Gluts e 10,000 Russos – que, verdade seja dita, foram descobertos pela editora na primeira edição do festival, acabando depois por lançar «10,000 Russos» e «Distress Distress», dois álbuns amplamente aplaudidos pelos apreciadores do género.


A TRADIÇÃO PROGRESSIVA

Se a Suécia pode dizer que tem o seu próprio equivalente aos Amon Düül, então temos de falar dos Träd, Gräs Och Stenar. A actuar pela primeira vez em Portugal no palco do Reverence, este histórico colectivo juntou-se no final dos 60s e, entre 1969 e 72, afirmou-se como uma das mais excitantes propostas musicais saídas da Escandinávia e um dos pioneiros do movimento progg que tomou de assalto o país nesses anos de efervescente criatividade alucinada. Foi precisamente nesse período que lançaram álbuns incontornáveis do movimento como «Djungelns Lag», «Rock för Kropp och Själ» ou «Mors Mors», antes de cessarem actividades por divergências criativas. Acabaram por voltar à vida no início da década de 90 e, desde então, as suas actuações têm sido esporádicas, pelo que é sempre uma experiência única vê-los em palco.


OS PORTA-ESTANDARTES DO PÓS-ROCK

Uma das surpresas da edição de 2017 do REVERENCE é a presença dos japoneses MONO no cartaz. O grupo propõe-se a, nas suas próprias palavras, “comunicar o incomunicável”, refletindo as nuances de cada emoção humana em intensas viagens introspetivas de pós-rock expansivo. É isso, de resto, que tem feito ao longo da última década, construindo um fundo de catálogo intocável que, apoiado em álbuns como «One Step More And You Die», «You Are There» ou «Hymn To The Immortal Wind», já lhe garantiu posição de destaque no panteão do fenómeno e, pelo caminho, influenciou uma imensidão de outros músicos. Após vários concertos esgotados nos últimos anos, a banda regressa a Portugal para um momento que ficará na história do festival e na memória daqueles que o presenciarem.


AS REVELAÇÕES E AS ESTREIAS

O cartaz da edição deste ano do Reverence é composto por um total de 42 nomes, das bandas estabelecidas ao talento emergente, entre o qual se contam os nacionais Sinistro, que no ano passado se afirmaram como uma das grandes coqueluches do underground luso com a edição de «Semente» através da independente francesa Season Of Mist. A nível internacional, os alternativos Bo Ningen, os roqueiros Siena Root e os psicadélicos Hills – que, segundo rumores, contam com gente dos muito aplaudidos Goat na formação – são também nomes a não perder. Acresce a isto um contingente nacional, fulcral na evolução do evento desde a primeira edição, versátil, garantindo que – no Parque da Ribeira de Santarém – se vai ouvir alguma na melhor música alternativa actual.


OS CLÁSSICOS

Quem já esteve no Reverence recorda certamente com carinho as jam sessions ao raiar do sol, todas as descobertas inesperadas que se podem fazer num só fim-de-semana e também o mágico Legacy Slot, que viu passarem pelo Parque de Merendas de Valada nomes tão ilustres e “clássicos” como os Hawkwind, Amon Düül II ou The Damned. Este ano, em Santarém, essa honra cabe aos Gang Of Four. A banda britânica, formada em 1977, é autora de vários dos mais emblemáticos temas de post-punk e promete uma plena descarga da energia que caracteriza as suas actuações, com uma mistura dos hinos mais antigos, como «Damaged Goods» e «At Home He’s A Tourist», com temas mais recentes.

Os bilhetes para o REVERENCE SANTARÉM podem ser adquiridos aqui.

REVERENCE SANTARÉM:
10 razões para não faltares! [1/2]

Depois de três edições em Valada, este ano o festival REVERENCE mudou-se de armas e bagagens para a cidade de Santarém. Com um cartaz bastante mais forte em termos de pesos pesados, mas que não refuta nem por um momento a diversidade que desde o início pautou o evento, a 8 e 9 de Setembro, o aprazível Parque da Ribeira de Santarém vai receber alguma da música alternativa mais excitante – do post-punk ao psych, do stoner ao prog – que se faz hoje.

A equipa da LOUD! reuniu-se e delineou dez razões para ninguém faltar a um evento que, tudo indica, fará mais uma vez o gáudio dos melómanos mais exigentes — e, claro, sem palas nos olhos. Aqui ficam as primeiras cinco:


01. A NOVA LOCALIZAÇÃO

A localização anterior do Reverence – no Parque de Merendas de Valada do Ribatejo– era, efectivamente, mágica. A nova não lhe fica atrás e até tem história engraçada, porque corre a lenda que era ali que era suposto acontecer a primeira edição do festival. Situado por baixo do Jardim das Portas do Sol e da Ponte D. Luís, na idílica zona do Parque da Ribeira de Santarém, localizado nas margens do Tejo, o recinto situa-se a cinco minutos a pé da estação da CP, no coração do charme rústico da cidade velha, entre o rio Tejo e os campos de cultivo. O parque de campismo gratuito, com a sua praia fluvial “privativa”, promete manter ocupados os melómanos dados a actividades aquáticas entre concertos.


02. A MAIS INTERNACIONAL DAS BANDAS NACIONAIS

Denotando uma orientação mais pesada, em 2017 o Reverence conta com os Moonspell como cabeças-de-cartaz no dia 8 de Setembro e a mais famosa das bandas nacionais tem um espectáculo especial preparado para o evento. Encerrando o ciclo iniciado no final do ano passado com uma apoteótica actuação no Pav. Multiusos de Guimarães – e que teve depois seguimento lógico no Campo Pequeno, em Lisboa, aquando das gravações do DVD «Under A Full Moon Madness» –, o quinteto liderado por Fernando Ribeiro tocará, pela última vez nesta tour com alinhamento vintage, na íntegra e por ordem, os dois primeiros discos, «Wolfheart» e «Irreligious». Resultado, esta será uma oportunidade única para testemunhar “um simbólico enterro dos primeiros 25 anos” de carreira dos Moonspell.


03. A VARIEDADE DO CARTAZ

As três primeiras edições consagraram o festival como um evento de peregrinação mais que obrigatória para os fãs de psych, stoner, heavy e indie de todo o mundo, afirmando-se como um ponto de paragem para todos os melómanos que desfrutar de algo um pouco diferente dentro do que se faz hoje em dia no espectro da música feita com guitarras. Em apenas três anos, este certame com identidade muito própria levou mais de 200 artistas ao Ribatejo, incluindo mais de 70 bandas internacionais estreantes em Portugal, algo único no panorama musical do nosso cantinho à beira-mar plantado. O cartaz de 2017, apesar de menos extenso, não foge à regra e, segundo a organização, “pretende ser uma enormíssima celebração do melhor que a música underground tem para oferecer”.


04. A CIDADE

A deslocação do evento de uma pequena vila como Valada para Santarém – cidade com cerca de 30,000 habitantes – vem trazer ao festival Reverence um valor acrescido; nomeadamente mais acessibilidade de transportes, assim como mais e melhor capacidade hoteleira e oferta gastronómica, capaz de fazer crescer água na boca aos foodies deste mundo. Sabendo da apetência que a juventude milenar tem pela boa comida, o Ribatejo oferece uma miríade de petiscos não-formatados e invulgares que, no fim de semana de 8 e 9 de Setembro, poderão fazer as delícias das legiões mais destemidas de instagramers. O magusto com bacalhau assado, o ensopado de enguias, a tomatada de ovos e, para os mais gulosos, os pampilhos serão, definitivamente, “alvos a abater” durante dois dias em que vai ser importante repor calorias a cada oportunidade.


05. A IGREJA DE RA

Não, o Ribatejo não vai ser invadido por nenhum culto satanista. Church Of Ra é, isso sim, um colectivo de músicos belgas associados aos colossais Amen Ra – que vão marcar presença no evento e trazem na bagagem um novo registo de originais – e que inclui projectos como Oathbreaker, The Black Heart Rebellion, Syndrome, Kingdom, Hessian, Treha Sektori e Wiegedood, entre outros. Desta extensa lista vamos ter o prazer de (re)ver também os Oathbreaker, um dos seus mais ilustres e badalados porta-estandartes. Donos de um estilo muito próprio, os músicos liderados pela encantadora Caro Tanghe aterram no Reverence ainda na ressaca do muito aclamado e ambicioso «Rheia», prontos a provar que, afinal, é mesmo possível encontrar equilíbrio entre a harmonia e a agressão, sem que sejam feitas concessões para qualquer um dos lados.

Os bilhetes para o REVERENCE SANTARÉM podem ser adquiridos aqui.

PROCESS OF GUILT:
Mostram «Black Earth» ao vivo

Com data de edição a 22 de Setembro, «BLACK EARTH», o novo álbum dos PROCESS OF GUILT, vai ser apresentado ao vivo em Lisboa, Porto e Viseu.

Os concertos de apresentação de «Black Earth», o novo longa-duração dos PROCESS OF GUILT, estão marcados para 4, 6 e 7 de Outubro — em Lisboa (Music Box), no Porto (Cave 45) e em Viseu (Estudantino), respectivamente. Na apresentação daquele que é o muito aguardado sucessor de «Fæmin», o quarteto formado por Hugo Santos, Nuno David, Custódio Rato e Gonçalo Correia assume o disco como “o motivo principal de um novo ciclo de espectáculos” onde procuram uma vez mais “elevar a energia e peso” das suas actuações ao vivo “a um novo nível de intensidade“, como refere o vocalista/guitarrista do grupo. Tal como o antecessor «Fæmin», «Black Earth» foi misturado por Andrew Schneider, no Acre em Nova Yorque, e masterizado por Collin Jordan, no The Boiler Room LLC – Music Mastering, em Chicago, e será lançado a 22 de Setembro numa edição conjunta entre a Bleak Recordings e a Division Records.

Para esta campanha de promoção a «Black Earth», os PROCESS OF GUILT vão contar com alguns convidados especiais. O concerto no Music Box, em Lisboa, a 4 de Outubro, conta a estreia em Portugal dos espanhóis THYRANT. Formados em 2015 e oriundos de Málaga, lançaram em 2017 o seu longa-duração de estreia «What We Left Behind…» pela Indie Recordings. A música que tocam percorre o desespero das vibrações doom, passando pela técnica associada ao prog e culminando num tipo mais forte e poderoso de som, seguro em metal e rock mais clássico. No Cave 45, no Porto, a 6 de Outubro, a abertura fica a cargo dos FERE. Em actividade desde 2015, apresentam-se como uma das novidades mais excitantes vindas Invicta e assumem influências como SUMAC, ISIS, GYBE e RUSSIAN CIRCLES. Em fase de pré-lançamento do seu primeiro longa-duração, apresentarão algumas das composições que o integrarão. O espectáculo em Viseu, a 6 de Outubro, estará integrado no OMG Fest, que levará ao Estudantino um cartaz pleno de intensidade, que conta também com nomes como REDEMPTUS e GAREA, entre outros.

Mais informações aqui.
Pre-order «Black Earth» aqui.

REVERENCE SANTARÉM: Os horários!

MONO, AMENRA, TRÄD, GRÄS OCH STENAR, SIENA ROOT, ESBEN & THE WITCH, HILLS, BO NINGEN e muito mais para ver a 8 e 9 de Setembro na Ribeira de Santarém.

Já há horários para a 4ª edição do REVERENCE FESTIVAL, a ter lugar na idílica zona do Parque da Ribeira de Santarém entre 8 e 9 de Setembro. Os nacionais MOONSPELL e os belgas AMENRA e OATHBREAKER são cabeças-de-cartaz no primeiro dia do certame, 8 de Setembro, sexta-feira, sendo que os japoneses MONO, os ingleses GANG OF FOUR e os suecos TRÄD GRÄS OCH STENAR encerram o festival, no dia seguinte, 9 de Setembro, Sábado.

Os bilhetes para o festival podem ser adquiridos na bilheteira online e locais habituais, estando até dia 31 de Agosto a um preço especial de 55€ o passe geral e o bilhete diário a 35€.

MOONSPELL: O “enterro” de 25 anos de carreira.

No próximo dia 8 de Setembro, os MOONSPELL farão “um simbólico enterro dos 25 anos de banda” com um espectáculo especial no REVERENCE FESTIVAL SANTARÉM.

O REVERENCE FESTIVAL SANTARÉM que, em 2017, se realiza nos dias 8 e 9 de Setembro, na idílica zona do Parque da Ribeira de Santarém, localizado nas margens do Rio Tejo, vai contar com os nacionais MOONSPELL como cabeças-de-cartaz no primeiro dia do evento e a lendária banda nacional tem um espectáculo especial preparado para todos os que se deslocarem à cidade ribatejana. Encerrando um ciclo iniciado em Dezembro do ano passado com uma apoteótica actuação no Multiusos de Guimarães — e que teve depois seguimento no Campo Pequeno, em Lisboa, aquando das gravações do DVD «Under A Full Moon Madness» –, o quinteto liderado por Fernando Ribeiro tocará, pela última vez nesta tour com alinhamento vintage, na íntegra e por ordem os discos «Wolfheart» e «Irreligious».

Editado a 1 de Abril de 1995, «Wolfheart» marcou a estreia dos Moonspell nos registos de longa-duração e sucedeu à muitíssimo aplaudida estreia com o EP «Under The Moonspell» no ano anterior. Depois de terem captado a atenção da independente francesa Adipocere, a banda nacional acabaria por associar-se à Century Media para a edição de um álbum que deixou marcas indeléveis no underground nacional e internacional. Gravado por Waldemar Sorychta na Alemanha, os nove temas contidos no disco — entre os quais de contam “clássicos” como «Vampiria» ou «Alma Mater» — mostram o grupo da Brandoa a misturar black e folk metal, numa fusão que lhes valeu aplausos unânimes numa tendência a viver uma fase de franca expansão. Disponibilizado apenas um ano depois, «Irreligious» registou, para muitos, o ponto de viragem na carreira do colectivo. Foi o disco que lhes abriu as portas de todo o mundo, com honras de tops europeus pela primeira vez. Só na Alemanha vendeu 80.000 discos e, em Portugal, atingiu a marca de prata, na altura atribuída por vendas acima das dez mil unidades.

Além dos Moonspell, o REVERENCE FESTIVAL SANTARÉM conta também com os belgas AMENRA e OATHBREAKER como cabeças-de- cartaz no primeiro dia do certame, 8 de Setembro, sexta-feira, sendo que os japoneses MONO, os ingleses GANG OF FOUR e os suecos TRÄD GRÄS OCH STENAR encerram o festival, no dia seguinte, 9 de Setembro, Sábado. No total o cartaz conta com 42 nomes, numa mostra do que de melhor a música alternativa tem para oferecer hoje, do metal ao rock, passando pelo indie, gótico e neo-psicadelismo, entre muitas outras tendências da música feita com guitarras. O passe de dois dias para o REVERENCE custa apenas €55 até 31 de Agosto. A partir de 1 de Setembro, o preço do passe de dois dias fixa-se nos €65 até à data do evento. Os bilhetes diários, por seu lado, custam €35 até 31 de Agosto. A partir do dia 1 de Setembro, o preço dos bilhetes diários fixa-se nos nos €40.